Eucaristia

O horário das celebrações está disponível na tabela abaixo.

Celebrações Dominicais

TelheiroSábado 20h30
BarreiraDomingo10h00

Celebrações Feriais

Telheiro1ª e 3ª terça-feira do mês20h00
Sobral2ª e 4ª terça-feira do mês20h00
ADESBA4ª quarta-feira do mês14h30
Barreiratodas as quintas-feiras20h00

Também existe um serviço de comunhão aos doentes, prestado pelos Ministros Extraordinários da Comunhão, quer se encontrem na sua própria habitação ou em lares de idosos. Para mais informações sobre este serviço deve contactar o Pároco ou um dos Ministros Extraordinários da Comunhão.

O Sacramento da Eucaristia

1322. A sagrada Eucaristia completa a iniciação cristã. Aqueles que foram elevados à dignidade do sacerdócio real pelo Baptismo e configurados mais profundamente com Cristo pela Confirmação, esses, por meio da Eucaristia, participam, com toda a comunidade, no próprio sacrifício do Senhor.

1323. «O nosso Salvador instituiu na última ceia, na noite em que foi entregue, o sacrifício eucarístico do seu corpo e sangue, para perpetuar pelo decorrer dos séculos, até voltar, o sacrifício da cruz, confiando à Igreja, sua esposa amada, o memorial da sua morte e ressurreição: sacramento de piedade, sinal de unidade, vínculo de caridade, banquete pascal em que se recebe Cristo, a alma se enche de graça e nos é dado o penhor da glória futura».

1324. A Eucaristia é «fonte e cume de toda a vida cristã» (146). «Os restantes sacramentos, assim como todos os ministérios eclesiásticos e obras de apostolado, estão vinculados com a sagrada Eucaristia e a ela se ordenam. Com efeito, na santíssima Eucaristia está contido todo o tesouro espiritual da Igreja, isto é, o próprio Cristo, nossa Páscoa» (147).

1328. A riqueza inesgotável deste sacramento exprime-se nos diferentes nomes que lhe são dados. Cada um destes nomes evoca alguns dos seus aspectos. Chama-se:
Eucaristia, 
porque é acção de graças a Deus. As palavras« eucharistein» (Lc 22, 19; 1 Cor11, 24) e «eulogein» (Mt 26, 26; Mc 14, 22) lembram as bênçãos judaicas que proclamam – sobretudo durante a refeição – as obras de Deus: a criação, a redenção e a santificação.

1329. Ceia do Senhor (150), porque se trata da ceia que o Senhor comeu com os discípulos na véspera da sua paixão e da antecipação do banquete nupcial do Cordeiro (151) na Jerusalém celeste.

[do Catecismo da Igreja Católica]